quarta-feira, 4 de maio de 2016

Atresia de Duodeno - Dupla Bolha no Usg. E agora?

Eu estava com 26 semanas de gestação (gemelar) quando marquei o 3º ultrassom morfológico. Eu nem sabia que havia um 3º... Todos os usg que eu havia feito (e foram muitos) eu fiz no laboratório do Fleury do Paraíso e todos com o mesmo médico. Todos até aquele momento estavam normal. Foi quando descobrimos que um dos nosso gêmeos apresentava um sinal de dupla bolha e excesso de líquido amniótico na bolsa dele. Até então eu não sabia que muito líquido poderia ser um problema. O médico, foi muito delicado e no fim do ultrassom me falou da dulpa bolha. E não falou nada além disso. 

Veja, todos os outros morfológicos, ou usg não apontaram problema algum. 

Saí do laboratório, vi o laudo ("sinal de dupla bolha - possível atresia de duodeno") usei o google e meu mundo caiu. 

30% dos casos estão ligados à Síndrome de Down. Todos os casos são cirúrgicos. Liguei para meu obstetra. Ele confirmou o que dizia o google

Meu menino nasceria e teria que passar por uma cirurgia logo depois. E sim haveria a chance dele ser Down. Veja os morfológicos anteriores mostram apenas que as chances são pequenas, 1 em 2000. Mas existe. O único exame que diz com 100% de certeza é o cariótipo. E isso ou se faz com punção do líquido amniótico (há riscos) ou depois do nascimento. Eu optei por saber só depois que eles nascessem. 

Mas a atresia tem um outro efeito, o Polidrâmnio (aumento do líquido amniótico) e isso fazia o tamanho do útero crescer demais e em uma gestação gemelar, era como se eu estivesse com 3 bebês na barriga... com 29 semanas eu não conseguia dormir, ou respirar... daí agendamos uma amniorredução:  ou seja injetar uma agulha no útero, (com anestesia local somente) e drenar lentamente o excesso de líquido. Dói. Tem contrações, é arriscado. Tiraram 2 litros de líquido. Fiquei 3 dias internada para reduzir as contrações. Deu um grande alívio... e colhemos também o cariótipo, só que esse exame demora mais de um mês para ficar pronto. 

Durou 2 semanas e eu já sentia dores e desconfortos novamente. Dormir, só sentada. E mesmo assim, minha bolsa rompeu com 31 semanas.

Fui internada, e meus bebês nasceram com 34 semanas. Marcelo, meu menino, nasceu com 1,950 kg e foi operado no dia seguinte de seu nascimento. Ele não tem Down, mas era o único na UTI naquele mês com esse problema e com o cariótipo normal. Foram 23 dias de internação na UTI Cirurgica do Santa Joana. Chegou a pesar 1,750 kg. Demorou 15 dias para começar a comer. Foi entubado, teve atelectasia, mas superou tudo! Hoje com 3 meses, mama mais que a irmã, está gigante! Tem um cicatriz de fora a fora na barriguinha... mas sobreviveu. É lindo, risonho, forte. 

Existe luz após o diagnóstico. E nem todos os casos vem com Down associado. Se você chegou até aqui procurando um caso de sucesso, achou. Foram dias de muita escuridão, de muito medo, de incertezas. Muitas dores... mas foi tudo superado. Ele está lindo. Tenha fé.


Um comentário:

Drielly disse...

"tenha fé" precisava ouvir isso hoje.... linda história Gaby..... muita luz e saúde pra suas jóias raras....