segunda-feira, 25 de julho de 2011

Eu não terceirizo meu filho.

Meu marido foi criado pela Fia. Ele não sabe qual o nome da Fia. Fia está na casa dele até hoje, e ele ainda não sabe o nome dela. Meu marido tem mais 2 irmãos, que brigam até hoje com a Fia porque não querem acordar antes do meio dia para que ela possa limpar e arrumar a cama deles!!! (pasmen)

Quem me criou foi minha mãe. O nome dela é Sonia. Eu sei o nome de quem me criou. Também sei que na minha casa tinha regras rígidas, que ninguém ficava coçando o saco e à toa, e todo mundo colaborava para manter a casa em ordem. Minha mãe NUNCA fez faxina sozinha enquanto eu jogava vídeo-game. Dia de faxina era dia de faxina para todo mundo.

Neste ponto sou muito clara. EU NÃO VOU TERCEIRIZAR A EDUCAÇÃO DO MEU FILHO. #prontofalei.

Que me crucifiquem as donas de seu próprio nariz, (assim como sou hoje) mas não vou por filho no mundo para outra pessoa tomar conta. Se fosse para ser assim, já teria tido filho há muito tempo...

Uma vez uma de minhas alunas, mãe de uma menininha de 2 anos chegou em casa e viu a filha brincando de passar roupa. Ficou chocada (como se passar roupa fizesse cair a mão de alguém), OMG (oh my god) minha filha "copia" a empregada!!!! E eu, com muita graça, lhe disse: - Mas é lógico, com quem ela fica a maior parte do dia? E que atividades essa pessoa faz?? Como você quer que ela TE copie se ela não fica com você. Noutro dia a menininha pronunciou um "ôxe", deve ter sido a morte para aquela mãe...

Sou categórica neste ponto. Por quanto tempo me dedicarei exclusivamente ao meu filho(a), não sei. Mas que vou, vou. Minha mãe, a minha sogra, a fia, a creche, a babá não tem a menor obrigação de criar filho que EU pus no mundo.

Pense, se a fia toma conta do seu filho, quem toma conta do filho dela?

Tive a inspiração deste post lendo o blog batatinha-tinha onde ela reproduz a entrevista do pediatra José Martins Filho que escreveu o livro A Criança Terceirizada do qual eu prontamente devo compar para quando alguém (tem sempre alguém) vier palpitar nas minhas escolhas.


2 comentários:

Mommy to Be disse...

Assino embaixo!

Minha mãe tb foi quem me criou, só trabalhou em casa e cuidou da educação dos seus filhos (meu irmão e eu).

Sou do mesmo pensamento que vc, filho meu sou eu quem crio. Nada de escolinha, mãe, sogra ou babá. Por mais que eu saiba que a minha mãe cuidaria mto bem, eu não tenho a cabeça exatamente igual a dela, e muitas coisas q ela fez ou não, pode ser que eu não faça igual. Se eu não criar meu filho, vai ser educado como a pessoa que criar quiser, não é?

Mas vc acredita que a minha mãe não é 100% a favor? Ela acha que eu tb não posso deixar de trabalhar pra cuidar dos filhos... que se eu largar por um tempo, depois não vou querer ou conseguir mais voltar e tals...
Mas não há nada nesse mundo que faça mudar de ideia. Eu amei ter tido a minha mãe me acompanhando no meu crescimento e acho totalmente necessário, pelo menos até os 4 anos da criança que a mãe esteja presente pelo máximo de tempo possível.

Bom achar alguém que pensa como eu!!!

Bjins
S

Meisy disse...

Ei, Gaby. Até concordo com vc, mas não tenho a menor condição de fazer isso, já que a maior parte da renda lá de casa é minha. Ou seja, ou eu "terceirizo" ou não serei mãe. E a segunda opção, se depender de mim, está fora de cogitação. Minha mãe teve que trabalhar e somos ótimas pessoas, eu e meu irmão, tivemos educação. Mas para quem tem opção, concordo sim com isso.